Escrito por em 11/06/2018 (atualização: 13/06/2018)

Nesse artigo você vai descobrir se o chá verde ajuda a ganhar massa muscular. Mas também vai saber se esse mesmo chá consegue reduzir medidas corpóreas, qual a forma mais indicada para consumi-lo e suas contraindicações. Veja a seguir!

O chá verde é uma bebida muito popular devido a grande quantidade de compostos que proporcionam uma série de benefícios à saúde.

Ele é preparado a partir da planta Camellia Sinensis, que também pode dar origem a outros chás, como o chá preto, o chá vermelho, o chá branco e o chá oolong.

Este chá é utilizado na nutrição humana desde os povos antigos, especialmente, no oriente. Um de seus benefícios mais conhecidos é que ele auxilia na perda de peso e gordura corporal. Mas será que ele também ajuda a ganhar massa muscular?

O chá verde favorece o ganho de massa?

Segundo a nutricionista Fernanda de Sousa, o chá verde não atua diretamente na construção de massa magra, o que acontece é que a sua ação antioxidante ajuda na inibição de radicais livres, que são gerados após a prática de atividades físicas.

O chá verde não ajuda no ganho da massa muscular, mas sim, na sua manutenção

O chá verde é feito a partir da planta Camellia Sinensis (Foto: depositphotos)

“Portanto, pode-se dizer que o chá antes do treino ajuda na manutenção da massa magra e aumento da resistência e oxidação lipídica. Após o treino, ele auxilia para que não ocorra dano tecidual, decorrente do estresse oxidativo, e para que o exercício seja realizado no dia seguinte com menos dores”, explica.

Chá verde emagrece?

A respeito do efeito emagrecedor do chá verde, Fernanda explica como isso acontece: “a mistura da catequina com a cafeína, presentes no chá verde, aumenta a termogênese e a oxidação lipídica, promovendo gasto energético. As catequinas são capazes de reduzir peso corporal, gordura visceral e total”.

Para reforçar ainda mais a eficiência deste chá, uma pesquisa feita pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP analisou o efeito do chá verde no controle da obesidade e como aliado alimentar para a perda de peso.

A pesquisadora responsável pelo trabalho comparou a taxa metabólica de mulheres com sobrepeso e obesidade grau I, pré e pós consumo de chá verde, aliado ou não à prática de exercício físico.

Os resultados mostraram que as mulheres que consumiram chá verde em conjunto com a prática de exercícios físicos tiveram suas composições corporais modificadas, apresentando maior perda de gordura, maior ganho de massa muscular, maior aumento da força muscular e redução dos níveis de triglicérides.

Veja também: Quanto de chá verde devo tomar para conseguir emagrecer?

A pesquisa mostrou ainda que a ingestão do chá também suprime a utilização de carboidrato, que gera aumento na quantidade de glicogênio no músculo, auxiliando o aumento da resistência e de uma maior disposição física para continuar a atividade.

Portanto, assim como foi explicado pela nutricionista Fernanda de Sousa, a pesquisa confirmou que o consumo de chá verde aliado à prática de exercícios físicos produz um efeito muito maior. Essa combinação proporciona uma mudança na composição corporal e auxilia na utilização da gordura como fonte de energia, contribuindo, assim, com o aumento da massa magra.

Como consumir o chá verde corretamente?

Para realmente obter os efeitos benéficos do chá verde, é preciso saber direitinho como consumi-lo. A ADA (American Dietetic Association) sugere o consumo máximo de 4 a 6 xícaras de chá verde ao dia.

O consumo máximo do chá verde não deve ultrapassar as seis xícaras

Para usar a favor da massa muscular, o indicado é tomar esse chá antes e depois dos treinos (Foto: depositphotos)

“Deve-se esquentar a água até um pouco antes da ebulição, colocar as folhas e deixar a infusão abafada por 2 a 3 minutos. Não deve ser armazenada por longos períodos, pois há uma perda de compostos fenólicos. Para cada litro de água, deve-se usar 4 colheres (de sopa) de erva fresca ou 2 colheres (de sopa) de erva seca”, ensina Fernanda.

Para quem tem dúvidas se deve beber o chá verde antes ou depois das atividades físicas, a profissional reforça que para ter todos os benefícios do chá, o ideal é consumi-lo das duas formas, antes e depois do treino.

Veja também: Por quanto tempo o chá verde faz efeito no corpo? Aprenda a consumir

“Porém, é importante que ele não seja ingerido junto às refeições para não reduzir a absorção de nutrientes dos alimentos. O ideal é que seja consumido uma hora e meia depois das refeições e sejam evitados à noite, ou a partir das 16h, pois a cafeína pode prejudicar o sono”, orienta.

Benefícios do chá verde

De acordo com Fernanda, o chá verde é considerado um alimento funcional, porque além das qualidades nutricionais, também contém substâncias que ajudam na diminuição de algumas doenças crônicas, devido a seus componentes ativos.

Além da diminuição do peso e da gordura corporal, diversos estudos também já associaram o consumo de chá verde a benefícios como: redução do risco de doenças cardiovasculares, de câncer e de glicemia; melhoria das funções fisiológicas; efeito anti-hipertensivo; proteção ultravioleta; aumento da densidade mineral óssea; entre outros.

“O chá verde é composto de uma diversa classe de flavonoides, entre eles a catequina, que varia de acordo com o local e modo de plantio e com a forma de preparo do chá. Suas propriedades ainda vêm sendo estudadas, mas já há artigos sobre sua ação antioxidante, ação anti-inflamatória, ação hipoglicemiante e potencial anticarcinogênico”, aponta a nutricionista.

Veja também: Chá verde: previne câncer, diabetes e pressão alta e, de quebra, emagrece

Cuidados e contraindicações

O chá verde pode trazer alguns malefícios à saúde se for consumido de forma inadequada ou em excesso e, principalmente, se for utilizado sem prescrição ou orientação de um profissional da área da saúde.

Grávidas não devem beber o chá verde porque ele pode causar danos aos fetos

As gestantes devem evitar esse chá, por ele ser rico em cafeína (Foto: depositphotos)

Fernanda alerta que ele não deve ser consumido por gestantes. “A cafeína atravessa a barreira placentária e pode causar danos aos fetos, pois diminuem o fluxo sanguíneo para a placenta. Além disso, não é indicado o uso de ervas medicinais no período da gravidez, pois estas têm potencial efeito abortivo”, afirma.

A nutricionista informa também que altas doses do chá verde podem causar efeitos adversos por conta da cafeína, como palpitações, dor de cabeça e vertigem.

Outro problema é em relação a absorção de proteínas e minerais durante a digestão. “Chás em geral contêm muito tanino, um antinutriente que pode reduzir a digestibilidade das proteínas, além de interferir na absorção de ferro e inibição de enzimas digestivas. Os polifenóis presentes no chá tem forte afinidade por metais, sendo considerados potentes quelantes de ferro e cobre, inibindo sua absorção e aproveitamento pelo organismo, ainda mais se eles forem ingeridos junto ao chá, durante as refeições”, acrescenta Fernanda.

Veja também: Suco detox com chá verde; veja benefícios e como fazer

Chá verde não faz milagre

Outra recomendação importante da especialista é não usar o chá verde como se fosse um milagre, pois nenhum processo de emagrecimento e ganho de massa muscular pode ser associado apenas a um alimento. O consumo do chá deve estar associado sempre a uma boa alimentação e a prática de atividades físicas.

“O chá é uma estratégia nutricional e não um remédio, mas, ainda assim, não deve ser tomado sem orientação. Portanto, procure um nutricionista para começar sua reeducação nutricional e um educador físico para lhe ajudar, da forma correta, a ganhar força e massa muscular a partir dos treinos”, orienta.

Para quem quiser uma outra opção de chá para ajudar na perda de peso, Fernanda indica o chá de hibisco. “O chá de hibisco também é um ótimo termogênico, é um facilitador do processo digestivo e evita a retenção de líquidos no organismo”.

Veja também: Como fazer chá de hibisco

Veja também:

Vitamina para ganhar massa