Por Redação em 16/02/2017

Conhecida por já ter servido de inspiração para nomear uma famosa banda de rock cômico, os Mamonas Assassinas, a mamona é uma conhecida planta que pertence à família das Euforbiáceas.

Além do mais, essa espécie possui muitas utilizações, desde a extração de um óleo também conhecido como óleo de rícino, usado na indústria química, até a utilização como base em alguns tratamentos de saúde.

Basicamente, as características físicas da planta a torna inconfundível. As folhas são grandes, pecioladas e em formato de estrela com oito pontas. Já as flores são unissexuadas, coexistindo dos dois sexos em um mesmo ramo, sendo que as masculinas ficam abaixo das femininas. Elas apresentam-se em grandes cachos terminais e eretos. São numerosas, com pétalas pequenas e de cor pálida.

Chá de mamona combate vermes intestinais e trata hemorroidas

Foto: depositphotos

Um dos principais elementos da mamona são os frutos. Eles estão dispostos em forma de cápsula espinhosa com cerca de três sementes. Essas sementes são lisas, brilhantes, de cor cinza claro ou escuro, matizadas de branco e pintalgadas de preto ou marrom. É justamente das sementes desses frutos que se extrai o óleo da mamona, ou de rícino.

Dependendo do local onde a mamona é encontrada, ela pode ser conhecida de vários outros nomes, a exemplo de mamoneira, palma-christi, carrapateiro e rícino.

Óleo de rícino

O óleo da mamona, também chamado de óleo de rícino. Pode ser usado na medicina popular devido o seu efeito purgativo, porém, ele é largamente empregado na indústria química devido a uma característica bastante peculiar: possui uma hidroxila (OH) ligada na cadeia de carbono. Não existe outro óleo vegetal produzido comercialmente com esta propriedade.

Outra importante propriedade do óleo de mamona é ser composto por um único ácido graxo (ácido ricinoleico), o qual lhe confere alta viscosidade e solubilidade em álcool a baixa temperatura. Esse produto pode ser utilizado como matéria prima para a produção do biodiesel.

Vale ressaltar que a semente da mamona é tóxica devido principalmente a uma proteína chamada ricina, que quando purificada é mortal mesmo em pequenas doses. O óleo é de difícil digestão e pode provocar sérios problemas de saúde, a exemplo da diarreia. Dependendo da quantidade, pode chegar a matar um indivíduo, sendo ele criança ou até adulto.

Propriedades medicinais da mamona

Somada a todas as propriedades que a mamona apresenta para a indústria química, dependendo da indicação, ela também pode ser usada no processo de tratamento e cura de algumas enfermidades. Porém, é importante ressaltar que, antes de incluí-la na rotina de tratamento, o médico deve ser consultado.

A mamona pode ser usada devido as suas propriedades vermífugo, purgante, emoliente e cicatrizante (uso externo), catártico, anticancerígeno e analgésico. Sendo assim, ela combate a ação de parasitos intestinais, eczemas, herpes, erupções, feridas, queimaduras, hemorroidas e calvície.

Chá de mamona

Para tratar os casos de hemorroidas, uma forma bastante eficaz é através do preparo do chá da mamona. Porém, diferente de outros tipos de tratamento onde a bebida pode ser ingerida, nesse caso, o paciente deve usá-la na forma de banho. Para isso, basta separar um litro de água e algumas folhas fatiadas da mamona. Coloque a água para ferver e, logo em seguida, acrescente as folhas. Desligue o fogo e deixe esfriar um pouco. Feito isso, basta banhar o local com essa espécie de chá.

Contraindicações e cuidados

O uso da mamona é contraindicado para mulheres grávidas e lactantes, pessoas com doenças intestinais graves e crianças menores de 12 anos de idade. A ingestão das sementes mastigadas de mamona é extremamente tóxico, causando cólicas abdominais, náuseas, vômitos, diarreia mucosa e, em casos mais graves, podem ocorrer convulsões, coma e óbito.