Escrito por em 02/01/2017 (atualização: 12/01/2017)

Diante de toda a variedade de plantas que a natureza proporciona, fica complexo saber quais os benefícios que cada uma pode oferecer ao organismo, por isso que é importante sempre se manter informado a respeito dos tratamentos naturais disponíveis. Um exemplo deste é a ipecuanha, erva com propriedades que vão da função digestiva a expectorante.

Quais os benefícios da ipecuanha?

O principal efeito benéfico desta planta está relacionado ao seu poder de tratamento dos problemas gástricos, principalmente ao que se refere ao esvaziamento do estômago quando não há a possibilidade de se fazer uma lavagem gástrica. Por ter esta atuação, previne o organismo contra disenteria, má digestão e intoxicação do aparelho digestivo.

Além destes benefícios, a ipecuanha também pode ser utilizada no tratamento de problemas respiratórios, que afetam os pulmões e os brônquios. Assim, é indicado para eliminar bronquite, tosse aguda e coqueluche. Pode, ainda, diminuir febres.

Chá de ipecuanha: trate problemas digestivos com ele

Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

Modo de preparo deste chá

Lojas de produtos naturais online ou físicas podem ser os lugares certos para encontrar as raízes de ipecuanha, produto que será usado para fazer o chá e seguir o tratamento natural. Ao adquirir a erva, triture a raiz para usá-la em forma de pó. Pegue duas colheres (de sopa) da substância e adicione em um litro de água filtrada, leve tudo para o fogo e deixe ferver.

Após 10 minutos em ebulição, desligue o fogo, tampe o recipiente e aguarde mais 10 minutos em infusão. Depois do tempo determinado, coe o chá e beba até três xícaras durante o dia. Sempre respeitando esta dose máxima, para não colocar em risco a situação clínica.

Contraindicações e efeitos colaterais

Mesmo se tratando de um produto natural, não é indicado fazer uso do chá de ipecuanha sem o acompanhamento médico, tendo em vista que plantas também podem provocar reações negativas no organismo humano. Isto porque, em alguns casos, há uma ingestão excessiva ou há interação medicamentosa com outros remédios encontrados em drogarias.

Além deste cuidado, é importante que grávidas, lactantes e crianças menores de 12 anos não faça uso deste medicamento, tendo em vista que ele pode reagir de forma negativa em seus organismos. Outro ponto com relação ao uso diz respeito a dosagem, que deve ser respeitada, evitando um consumo excessivo e os problemas secundários que podem surgir como vômitos, choque, convulsões, taquicardia, dificuldades em respirar etc.