Escrito por em 24/04/2019 (atualização: 26/06/2019)

Você sabia que é possível preparar chá de alecrim e que essa bebida possui diversos benefícios para a saúde? Neste artigo você vai descobrir tudo sobre as propriedades medicinais dessa erva bastante popular na culinária brasileira, como preparar a infusão e os cuidados que é preciso ter com o consumo dela.

Alecrim ou Rosmarinus officinalis é uma erva perene, que pertence à família das Lamiaceae. Ela é originária da região do mar mediterrâneo, mas especificamente da parte europeia e é mencionada na literatura médica da região desde o século 17. As principais características da planta são o seu sabor e aroma agridoces.

Por esse motivo, ela é bastante usada na culinária para complementar o sabor de pratos à base de carnes vermelhas. As folhas do alecrim são pequenas, opostas e aromáticas. As flores costumam ser tem tons de lilás ou branco e ela costuma se desenvolver melhor em climas quentes e solos drenados.

Uma curiosidade é que rosmarinus, nome científico da erva, significa “o orvalho que vem do mar” foi dado por ela crescer com frequência na costa rochosa do mediterrâneo. Veja a seguir porque usar essa erva no seu dia a dia, na forma de infusão e absorva todos os benefícios dela.

Para que serve e os benefícios do chá de alecrim

Desde a antiguidade que o alecrim é usado para fins medicinais. O principal uso da infusão feita a partir das folhas da erva era como um estimulante para a memória, pois acreditava-se que os compostos presentes nela aumentavam o fluxo sanguíneo.

Chá de alecrim

Chá de alecrim é usado como medicamento natural desde a antiguidade (Foto: depositphotos)

Isso fez com que ela também fosse usada como um símbolo de fidelidade e amizade. Além disso, tanto na medicina tradicional europeia, quanto na indiana, o alecrim é usado como um tônico estimulante para o trato digestivo e fígado.

Isso acontece devidos às suas capacidades digestivas e antiespasmódicas, que servem para aliviar o desconforto estomacal.

Além disso, outro uso dela era como cicatrizante de lesões na pele, principalmente em recém-nascidos, onde o chá era aplicado diretamente no cordão umbilical após o nascimento.

Agora, veja os principais benefícios do alecrim comprovados cientificamente. Esses efeitos farão com que você comece a consumir essa erva diariamente. Confira:

  • Rico em substâncias antioxidantes
  • Um poderoso anti-inflamatório natural
  • É antimicrobiano
  • Analgésico natural
  • Mantém a pele viçosa e hidratada
  • É diurético
  • Possui propriedades anti-diabéticas
  • Melhora a circulação e a saúde do coração
  • Estimula o cérebro
  • Diminui os riscos de desenvolver câncer.

Rico em substâncias antioxidantes

O alecrim é considerado uma das ervas medicinais com a maior quantidade de antioxidantes. Mas essas substâncias são encontradas com maior qualidade no óleo essencial extraído das folhas da erva.

Entre os principais compostos do gênero é possível citar os taninos, compostos fenólicos, saponinas e os flavonoides. Todos eles agem protegendo as células da ação danosa dos radicais livres e agressões externas.

Com isso, é possível evitar o surgimento de diversos tipos de doenças, envelhecimento precoce e  mantém o corpo mais ativo e saudável.

Além disso, as substâncias antioxidantes também aumentam o tempo de conservação dos alimentos. Por isso que o alecrim sempre foi bastante usado para temperar alimentos, tanto doces, quanto salgados. (1, 2)

Um poderoso anti-inflamatório natural

Além de ser rico em antioxidantes, o chá de alecrim é considerado um poderoso anti-inflamatório. Quando ingerido, ele age no organismo inibindo a progressão dos processos inflamatórios, devido à ação dos flavonoides.

Ainda por cima, essas substâncias também inibem a produção de histamina. Essa, por sua vez, é uma substância liberada durante os processos alérgicos, portanto um tipo de inflamação, e causa a maioria dos sintomas desse estado.

Isso faz com que o alecrim seja uma opção natural para os medicamentos à base de esteroides, que causam danos à mucosa gástrica e com uso contínuo podem acarretar problemas sérios ao trato gastrointestinal. (1, 2)

É antimicrobiano

O chá de alecrim também possui propriedades antimicrobianas. Ou seja, ele impede a proliferação de colônias desses micro-organismos, que podem causar problemas graves de saúde quando entram em contato com o organismo.

Tiveram a sua proliferação inibida graças às propriedades encontradas no alecrim as seguintes colônias de bactérias: staphylococcus aureus, que pode causar infecções generalizadas; Bacillus cereus e Salmonella poona, que causam infecção alimentar; e até mesmo alguns tipos que são resistentes aos medicamentos comuns. (3)

Analgésico natural

A infusão preparada com as folhas do alecrim é ainda uma ótima solução para aliviar dores leves. Isso porque, a erva contém substâncias que funcionam como um analgésico, aliviando dores periféricas e com menos efeitos colaterais que os medicamentos tradicionais. (2)

Mantém a pele viçosa e hidratada

Outro benefício encontrado no alecrim é de manter a pele viçosa e hidratada por mais tempo. Isso acontece porque existem componentes no óleo essencial da erva, que penetram nas camadas da pele e impedem a perda excessiva de água.

Dessa maneira, a pele não fica ressecada ao longo do dia. Além disso, o óleo ajuda a manter a firmeza e elasticidade no órgão, diminuindo o surgimento de rugas e outros sinais de idade.

Por fim, o fator antioxidante da erva também aparece nesse ponto. Especialmente porque essas substâncias impedem a degradação das células, fazendo com que o organismo não sofra com os sinais de envelhecimento precoce. (5)

É diurético

O chá de alecrim tem efeitos diuréticos. Ou seja, são substâncias que atuam diretamente nos rins e aumentam o volume de urina. Na prática, os medicamentos e bebidas diuréticas ajudam na eliminação de minerais como potássio e sódio.

Por esse motivo, são bastante usados para o tratamento de hipertensão. Além de auxiliar na eliminação de diversas substâncias nocivas para o corpo através da urina.

Desse modo, diminui-se o inchaço causado pela retenção de líquido e há o controle da pressão arterial. (6)

Possui propriedades anti-diabéticas

Um estudo feito por pesquisadores turcos em 2008 mostrou que o alecrim possui efeitos anti-diabéticos e hipoglicêmicos. Ou seja, ele diminui os níveis de glicose no sangue, o que causa a diabetes e pode trazer diversas complicações.

A pesquisa descobriu que a erva possui substâncias que agem no pâncreas. Assim, estimulam a produção de insulina, hormônio responsável pela redução dos índices glicêmicos.

Podendo ser no futuro, quando houverem estudos mais conclusivos, uma opção mais saudável em relação aos medicamentos para diabéticos que hoje estão disponíveis. (7)

Melhora a circulação e a saúde do coração

Alguns compostos fitoquímicos presentes no óleo essencial de alecrim estimulam a circulação sanguínea. Isso age diretamente na eliminação de substâncias tóxicas ao organismo, diminuição do inchaço, melhora da qualidade da pele e da pressão arterial.

Além disso, garante a saúde do coração por estimular a movimentação do sangue pelo corpo ao mesmo tempo que mantém os batimentos cardíacos em níveis normais. Quando aplicado na raiz dos cabelos, a infusão estimula o crescimento dos fios. (8)

Estimula o cérebro

O óleo essencial que é extraído das folhas do alecrim também estimula o cérebro. Inclusive, esse é um dos usos mais antigos para a erva, da qual eram feitos chás ou pós para serem consumidos por estudantes antes de provas importantes.

Parte desse efeito está relacionado a melhora da circulação sanguínea que a erva promove. Isso aumenta o irrigamento do cérebro, garantindo uma melhora da saúde do órgão e da memória.

Desse modo, tomar o chá de alecrim pode fazer com que você fique mais atento, com uma memória e tempo de resposta melhores. (8)

Diminui os riscos de desenvolver câncer

Por fim, existem indícios de que o alecrim contém substâncias que diminuem o risco do organismo humano desenvolver alguns tipos de câncer, como o de mama e o de pele.

Isso se deve, primeiramente, à ação antioxidante, que impede que as células saudáveis adoeçam. Em segundo lugar, o óleo essencial da erva também estimula as células de defesa do organismo, impedindo a proliferação das células cancerígenas. (3, 8)

Chá de alecrim ajuda a emagrecer?

Esse chá é aliado no processo de emagrecimento, mas não deve nunca ser tratado como produto milagroso. Especialmente porque os seus efeitos devem agir em conjunto com uma alimentação balanceada e a prática de exercícios físicos.

A infusão preparada com a erva ajuda na perda de peso devidos ao seus efeitos diuréticos, anti-inflamatórios e de melhora da circulação.

Na prática, esses efeitos agem em conjunto, estimulando o descarte de substâncias nocivas para o organismo. Assim, diminui o inchaço e proporciona uma sensação de perda de peso.

Além disso, o processo inflamatório é bastante comum em que está acima do peso e atrapalha o emagrecimento.

Quando usado na alimentação, o alecrim oferece uma sensação de saciedade e diminui o uso de condimentos artificiais super calóricos, ricos em sódio, gorduras e açúcares. (1, 2, 6, 8)

Como preparar a infusão?

O chá de alecrim é bem fácil de preparar. Você irá precisar apenas de alecrim e água quente. É preciso destacar que a erva não pode ser deixada fervendo em água, porque isso destrói as propriedades medicinais do alecrim. Confira como preparar a infusão:

Ingredientes

  • 1 colher (de chá) de alecrim seco ou fresco
  • 1 xícara de água filtrada

Modo de preparo

Em primeiro lugar, é necessário levar a água até o fogo até ferver. Quando isso acontecer, desligue o fogo, acrescente as folhas de alecrim e deixe a infusão tampada por cerca de 5 minutos.

Passado esse tempo, coe o chá e espere até que ele esteja morno para beber. Caso deseje, você pode adoçar com açúcar mascavo ou mel.

Chá de alecrim com limão

Uma outra forma de preparo do chá é utilizando além das folhas de alecrim o suco de limão. A fruta, que contém diversos benefícios, potencializa os efeitos anti-inflamatórios e antibacterianos do alecrim.

Chá de alecrim e limão

Você pode potencializar os benefícios do alecrim usando o limão na receita do chá (Foto: depositphotos)

Além disso, como o limão é rica em vitamina C, pode ser eficaz contra problemas respiratórios. Veja como preparar essa infusão:

Ingredientes

  • 1 ramo de alecrim fresco ou 1 colher (de sopa) da erva seca
  • Suco de 1 limão
  • 4 xícaras de água
  • 1 colher (de sopa) de mel para adoçar

Modo de preparo

Ferva a água e desligue o fogo. Em seguida, acrescente o alecrim e deixe a infusão descansando e extraindo os óleos essenciais por cerca de 5 minutos.

Logo depois, coe as folhas de alecrim, acrescente o suco do limão e o mel. Pronto, o chá está no ponto para ser bebido.

Com qual frequência tomar?

O chá de alecrim pode ser usado com frequência, mas nunca em excesso. Por esse motivo, o indicado é consumir no máximo duas xícaras da infusão ao dia, principalmente após as refeições.

Nessas ocasiões, todos os benefícios da erva podem ser absorvidos pelo organismo e a infusão ainda diminui as chances de formar gases e outros problemas que geram desconfortos estomacais.

É preciso ainda destacar que o chá deve ser consumido no mesmo dia de preparo. Quando a infusão fica muito tempo guardada, ela perde a maior parte das suas propriedades medicinais.

Por isso, caso faça algum tratamento, é importante preparar a bebida todos os dias e sempre próximo da hora de tomar. Por fim, é sempre importante passar por um período de descanso para o organismo.

Desse modo, a cada 30 dias bebendo o chá de alecrim, é necessário passar mais 30 dias sem fazer o uso da bebida. Isso serve para livrar o corpo de algumas substâncias que, em excesso, podem ser prejudiciais.

Cuidados e contraindicações da erva

Como qualquer erva medicinal, o alecrim também possui algumas contraindicações e cuidados com o consumo em excesso.

Desse modo, mulheres grávidas, que estejam amamentando ou crianças pequenas não devem consumir o chá de alecrim. Isso porque, a erva possui efeito abortivo e espasmódico. Esse último, pode aumentar as cólicas em crianças.

Além disso, pessoas que possuam histórico de problemas na próstata ou diarreia também não devem consumir a infusão.

Em altas quantidades, o chá de alecrim pode causar irritação gástrica, sonolência, espasmos musculares, alergias e irritação nervosa. Se o consumo em excesso for mantido há ainda o risco de desenvolver problemas renais graves, que podem levar à falência dos rins. (1, 9)

Referências científicas

(1) PENTEADO, Janaína Godoy; CECY, Adriana Trippia. “Alecrim Rosmarinus officinalis L. Labiatae (Lamiaceae): UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA“. Disponível em: https://docgo.net/doc-detail.html?utm_source=alecrim-rosmarinus-officinalis-l-labiatae-lamiaceae. Acesso em 17 de abril de 2019.

(2) FARIA, Lucimari Romana Dipe de. “Validação farmacológica do óleo essencial de Rosmarinus officinalis L. (alecrim) : atividades antiinflamatória e analgésica“. 2005. Disponível em: http://tede2.unifenas.br:8080/jspui/handle/jspui/134. Acesso em 17 de abril.

(3) HUSSAIN, Abdullah Ijaz et al . “Rosmarinus officinalis essential oil: antiproliferative, antioxidant and antibacterial activities“. Braz. J. Microbiol.,  São Paulo, v.41, n.4, p.1070-1078, [2010]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-83822010000400027. Acesso em 17 de abril de 2019.

(4) PORTE, Alexandra; GODOY, Ronoel Luiz de Oliveira. “Alecrim (Rosmarinus officinalis L.): Propriedades antimicrobiana e química do óleo essencial“. Repositório Digital Institucional UFPR, v.19, n.2, p.193-210, [2001]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/cep.v19i2.1233. Acesso em 17 de abril de 2019.

(5) TRESSINO, Estelita Souza; GABRIEL, Katiane Cella. “Estudo das aplicações farmacológicas do óleo essencial de alecrim (Rosmarinus officinalis)“. Infarma, v.21, n.3/4, p.44-48, [2009). Disponível em: http://revistas.cff.org.br/?journal=infarma&page=article&op=view&path%5B%5D=165. Acesso em 17 de abril de 2019.

(6) HALOUI, Mounsif et al. “Experimental diuretic effects of Rosmarinus officinalis and Centaurium erythraea“. Journal of Ethnopharmacology, v.71, n.3, p.465-472, [2000]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/S0378-8741(00)00184-7. Acesso em 17 de abril de 2019.

(7) BAKIREL, Tülay et al. “In vivo assessment of antidiabetic and antioxidant activities of rosemary (Rosmarinus officinalis) in alloxan-diabetic rabbits“. Journal of Ethnopharmacology, v.116, n.1, p.64-73. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jep.2007.10.039. Acesso em 17 de abril de 2019.

(8) AL-SEREITI, Mohamed R. et al. “Pharmacology of rosemary (Rosmarinus officinalis Linn.) and its therapeutic potentials“. Indian J Exp Biol, v.37, n.2, p. 124-130, março de 1999. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10641130. Acesso em 17 de abril de 2019.

(9) BEGUM, Asia et al. “An in-depth review on the medicinal flora Rosmarinus officinalis (Lamiaceae)“. Acta Sci. Pol., Technol. Aliment. v.12, n.1, p.61-73, 2013. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24584866. Acesso em 17 de abril de 2019.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio (Mtb-PE: 6770). Atualmente atua na área de redação para web, nas áreas de educação, beleza e saúde alternativa. Além da formação no curso superior, possui experiência em produção de vídeo, diagramação de livros e revistas e marketing.