Escrito por em 29/03/2017 (atualização: 23/09/2018)

Odiada pelos agricultores por ser uma planta que retira todos os nutrientes do solo, prejudicando as demais plantas, a papoula é uma planta que está presente na história desde a antiguidade graças a suas propriedades medicinais. Ela foi protagonista de uma descoberta revolucionária dentro do campo da farmacologia.

Nativa da Europa, a papoula era utilizada por gregos e romanos não só na culinária e como medicamento, mas também para a produção de ópio, uma droga que até o século XIX tinha sua comercialização livre, sendo posteriormente proibida devido ao seu grande poder viciante.

Essa droga abriu as portas para a descoberta de medicamentos utilizados principalmente para tratar e aliviar dores, como a codeína e a morfina.

Propriedades e benefícios

Chá da papoula da flor vermelha é um excelente calmante

Foto: depositphotos

Além de ser uma bela planta ornamental, tanto as pétalas das flores como as sementes podem ser utilizadas na culinária. A planta possui propriedades antiespasmódicas, anti-inflamatórias, emolientes, sedativas, narcóticas e sudoríferas.

Além de seu poder calmante, podendo ser de grande ajuda para quem tem dificuldades para dormir ou sofre de ansiedade, o chá das pétalas de papoula vermelha auxiliam no tratamento de diversas enfermidades que afetam as vias respiratórias, como alergias, tosse, bronquite e até mesmo afecções mais graves como pneumonia, asma e câncer de pulmão.

Ela pode também aliviar dores, especialmente as localizadas na caixa torácica e garganta, além de atuar como expectorante e ser uma aliada contra a diarreia.

Apesar de possuir inúmeros benefícios para a saúde, o consumo excessivo da planta pode ser nocivo para a saúde já que pode provocar dores estomacais e alguns outros transtornos digestivos.

Chá de papoula vermelha

Ingredientes

  • 750 ml (3 xícaras de chá) de água;
  • 24 pétalas secas de papoula vermelha;
  • Açúcar, adoçante ou mel à gosto (opcional).

Modo de preparo

Para preparar, basta fazer o processo de infusão. Leve a água ao fogo e espere chegar até o ponto de ebulição, em seguida, acrescente as folhas e deixe descansar por alguns minutos, coando os resquícios sólidos antes de ingerir a bebida.

Atenção

É aconselhável seguir à risca as doses indicadas e não as extrapolar já que as pétalas das flores possuem traços de morfina que mesmo não oferecendo perigo, podem causar dependência em caso de consumo prolongado ou em excesso. Esse chá não é recomendado para gestantes.