Escrito por em 26/06/2018

Nesse artigo, você vai conhecer 3 chás para tratar os sintomas da catapora e aprender como prepará-los. Veja também como é feito o tratamento da doença e como se prevenir. Confira a seguir!

A catapora é uma doença infecciosa causada pelo vírus Varicela-Zóster e, por isso, também é chamada de Varicela. Um dos sintomas mais conhecidos é o grande número de feridas na pele em forma de bolhas.

É uma das enfermidades mais facilmente transmissíveis, pois o vírus é transmitido pelo contato da pele e, principalmente, pelo ar através da tosse e espirro.

A médica infectologista Marina Malacarne diz que, apesar de altamente contagiosa, a catapora é uma patologia benigna e é mais comum durante a infância. “Qualquer pessoa não imune pode se contaminar, mas as crianças não vacinadas são o principal alvo”, afirma.

Chás para catapora

Alguns chás podem ser usados como coadjuvantes caseiros para ajudar a aliviar os sintomas da catapora.

A farmacêutica, professora e coordenadora do curso de pós-graduação em Fitoterapia Clínica das Faculdades Oswaldo Cruz e UNIP, Nilsa Yamashita Wadt, cita quais são os melhores chás para esse caso:

Chá de sabugueiro

O chá de sabugueiro trata os sintomas da catapora

A febre e as erupções da pele podem ser combatidas com o chá de sabugueiro (Foto: depositphotos)

A infusão das flores do sabugueiro é o tratamento fitoterápico tradicionalmente eleito para ajudar a combater a febre e as erupções da pele causados pela catapora.

Para fazer, coloque 1 colher (de sopa) de flores secas de sabugueiro em uma xícara de água fervente e deixe repousar e macerar por 10 minutos. Depois, é só coar e beber. A recomendação é ingerir três xícaras de chá de sabugueiro diariamente.

“A catapora é viral, então o uso do sabugueiro é mais utilizado, pois ele aumenta a sudorese e melhora o sistema imunológico”, reforça Nilsa. Porém, ela destaca que a parte da erva que deve ser utilizada são as flores. E atenção, para o uso interno, o sabugueiro deve ser consumido apenas seco, pois a erva fresca pode ser tóxica.

Veja também: Faça chá de gatária e trate sarampo e catapora

Chá de camomila

O chá de camomila trata os sintomas da catapora

Por ser anti-inflamatório, o chá de camomila trata as feridas (Foto: depositphotos)

Além do seu clássico efeito calmante, a camomila também tem ação anti-inflamatória e ajuda no tratamento de feridas e inflamações.

“Este chá pode ser usado tanto para passar nas lesões da pele provocadas pela catapora, como também para beber”, acrescenta Nilsa.

Para fazer, coloque de 2 a 3 colheres (de chá) das flores secas de camomila em 500 ml de água quente. Tampe a panela e deixe descansar por mais ou menos 10 minutos. Depois é só coar e beber ou usar no banho. A recomendação, nesse caso, também é ingerir até 3 xícaras por dia.

Chá de tília

O chá de tília trata os sintomas da catapora

O chá de tília atua contra os quadros de febre presentes durante a catapora (Foto: depositphotos)

Segundo Nilsa, o chá de tília auxilia em casos de doenças virais, tanto em níveis mais leves, como resfriados, quanto em níveis mais sérios, como sarampo e catapora.

As propriedades da tília incluem sua ação expectorante, calmante, antiespasmódica, digestiva, emoliente, diurética e sudorífica, o que a torna recomendável para estados febris.

Para preparar, leve 1 litro de água ao fogo e, assim que ferver, desligue. Em seguida, adicione duas colheres (de sopa) das flores de tília, cubra a panela e deixe repousar por 10 minutos. Depois, é só coar e beber. É indicado o consumo de 2 a 3 xícaras do chá de tília ao dia.

Chás que devem ser evitados

Nilsa alerta também sobre alguns cuidados com os chás: “neste caso de catapora, deve-se ter cuidado com as ervas que podem provocar mais coceira. O chá de salgueiro, por exemplo, pode ajudar a diminuir a febre, mas como tem ácido salicílico (precursor do ácido acetilsalicílico) algumas crianças podem ser alérgicas e, em casos de dengue, também pode ser problemático”.

Veja também: Chás para ajudar no tratamento da catapora

E atenção! Como se trata de uma doença infecciosa e contagiosa, a primeira medida para quem contrair catapora é procurar auxílio médico imediatamente.

Portanto, sempre pergunte ao seu médico de confiança se ele indica o consumo e a utilização de chás nesse caso. Até porque, o uso de ervas deve ser sempre indicado por um especialista e com a orientação correta.

Remédios caseiros para catapora

Além dos chás, a qualidade da alimentação também é muito importante. Uma alimentação natural pode ajudar todas as doenças infecciosas.

“Uma dieta rica em fibras, vitaminas e sais minerais provenientes de alimentos no estado mais natural possível é de suma importância para os pacientes com infecção ativa. Alimentos como abacaxi e mel são anti-inflamatórios e ajudam muito. Coentro e cenoura são usados como remédio para catapora em muitos países”, aponta a infectologista Marina Malacarne.

Outra opção é o banho com permanganato de potássio, o famoso banho rosa; um tratamento muito comum há uns anos atrás, mas que ainda é eficaz. “Ele atua como adjuvante por seu efeito bactericida e na cicatrização dos ferimentos. Ele colabora para que não ocorra uma infecção bacteriana sobreposta, ou seja, bactérias da pele invadindo as lesões virais”, explica a médica.

Sintomas e tratamento da catapora

Marina diz que os principais sintomas da catapora são febre entre 37,5° e 39,5°, mal-estar, dor no corpo, falta de apetite, dor de cabeça e cansaço.

A catapora é facilmente transmitida para crianças e pessoas não vacinadas

As bolhas são a marca registrada desse tipo de doença (Foto: depositphotos)

“Isso acontece nas primeiras 48h. Depois disso,  surgem lesões de pele em formas de manchas avermelhadas com pequenas bolhas ou vesículas cheias de líquido, sobre as quais, posteriormente, se formarão crostas que provocam muita coceira”, acrescenta a profissional.

Já o tratamento da catapora dura, em média, 7 a 10 dias. Ele visa, basicamente, aliviar os sintomas, pois como as outras doenças transmitidas por vírus, não há muito o que fazer. O importante mesmo é evitar a contaminação das lesões por bactérias, o que complica o quadro.

Sendo assim, os médicos podem indicar alguns medicamentos para febre, dores e coceiras. Uma avaliação médica é a melhor conduta a ser seguida, pois, existem diferentes manifestações da doença, exigindo cuidados diferenciados para cada caso.

Dicas e recomendações

Quem está com catapora precisa seguir algumas recomendações importantes. Marina lista as principais medidas a serem tomadas: “isolamento de todos os que não são vacinados ou que nunca tiveram catapora, até que as lesões cicatrizem; não coçar ou escoriar a pele; se manter em repouso e fazer uma dieta da forma mais natural possível, evitando qualquer tipo de industrializados e alimentos de origem animal”.

É importante também limpar as superfícies e objetos que entraram em contato com o paciente, pois a transmissão da catapora acontece através do ar, pelo contato direto com a pele ou através do compartilhamento de roupa e objetos contaminados pelas secreções das bolhas de catapora.

Veja também: 3 chás prometem curar doença viral, como catapora

Para evitar coçar as feridas, a recomendação é manter as unhas bem aparadas e passar um algodão com água filtrada ou água boricada na região afetada. A coceira é perigosa, pois pode levar a infecções por bactérias. Se ela não for embora de jeito nenhum, deve-se recorrer ao médico, que indicará o melhor antialérgico.

Outras dicas são:

  • Beba bastante líquidos, como água ou água de coco
  • Não arranque as crostas que se formam quando as feridas regridem
  • No caso da catapora ser na boca ou na garganta, evite alimentos muito quentes, salgados ou ácidos
  • Dê preferência para roupas largas e de algodão, para evitar a transpiração
  • Tome cuidado com o uso de pastas de dente, pomadas ou cremes diretamente sobre as feridas. Consulte um médico antes de aplicar qualquer substância na pele

Como evitar a contaminação?

Apesar de não ter muito o que fazer para se proteger da catapora, algumas atitudes podem diminuir as chances de contaminação da doença.

“Quem já teve, não precisa se preocupar, mas, para quem não teve, a vacinação é importantíssima para evitar o contágio. A alimentação e os exercícios físicos também sempre são bem-vindos para manter o sistema imunológico ativo”, orienta a infectologista.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomendam duas doses da vacina da catapora: a primeira aos 12 meses e a seguinte entre 15 e 24 meses de idade. Para crianças mais velhas, adolescentes e adultos suscetíveis, são indicadas duas doses com intervalo de um a dois meses.